quinta-feira, 27 de maio de 2010

Projeto H2A entrevista: Escola Naval

Meus queridos,

dando continuidade ao projeto "H2A Entrevista", hoje temos as respostas do pessoal formado na Escola Naval.

Agradeço muito aos que responderam, mais uma vez, por trocarem tempo de trabalho/lazer por um questionário de futuros candidatos. Muito obrigado, de coração, mais uma vez.

Beijomeliga!



Entrevistados: Danilo Guimarães e um oficial que preferiu não se identificar.

1. Qual a sua turma de formação e sua especialidade?

Danilo: Entrei na EN em 2005 (no final do 2º ano temos a opção de optar entre Fuzileiro Naval, Intendente (parte administrativa) ou Armada (embarcado)), me formei Guarda-Marinha em dezembro de 2008 e 2° Tenente em dezembro de 2009, Corpo da Armada Eletrônico.

Oficial_MB: Formação em 2008. Sou Fuzileiro Naval.


2. Onde trabalha atualmente (cidade)? Em que função?

Danilo: Embarcado no Rio de Janeiro/ Niterói. Ajudante da Divisão de Sistema de Armas e como sou recém embarcado tenho 2 encargos colaterais que são: Encarregado de Esportes (responsável pelos exames físicos dos militares de bordo, academia do navio e realização de educação física atualmente todo dia pela manhã) e Agente de Segurança de Aviação (manter o navio com as condições de operar com Helicóptero).

Oficial_MB: Trabalho no Rio de Janeiro e exerço a função de Comandante de Companhia.


3. Está satisfeito com seu trabalho? Acha que o seu aprendizado durante a formação está sendo realmente empregado na sua vida profissional?

Danilo: Existe muita coisa que a gente aprende durante a formação que nunca mais usa. Porém, a parte profissional é bastante utilizada quando o navio está saindo, acho que a formação poderia ser um pouco mais voltada para a parte profissional, pois chegamos nos navios sabendo muito pouco.

Oficial_MB: Estou satisfeito sim e o aprendizado da Escola Naval é uma grande base para o nosso dia a dia, e a experiência de lidar com situações adversas nós só ganhamos com o tempo.


4. Em uma escala de 0 a 10, onde 0 é “nada satisfeito” e 10 é “totalmente satisfeito”, como você classificaria a sua situação em relação ao seu salário?

Danilo: Atualmente 10, são poucos os que na idade em que estamos têm a oportunidade de receber um salário igual ao nosso, o grande problema na minha opinião está no plano de carreira , a maioria se aposenta como Capitão de Mar-e-Guerra e aí o salário fica meio defasado.

Oficial_MB: 8. Acho um salário bom, comparando com o resto da sociedade.


5. Você viaja muito a trabalho? Acha isso bom ou ruim?

Danilo: Não estou viajando muito não, devo ter ficado no máximo um e mês fora até hoje (20/05/10), porém, isso depende muito do navio que escolhemos ir. Existe navio que já foi duas vezes para o Haiti esse ano (período de 2 meses cada). Tenho pouco tempo de formado, e já deu pra perceber que navio bom é navio que está saindo, quando fica muito parado, é só burocracia. Com certeza viajar é bom, além de conhecer outros lugares ainda recebe um dinheiro a mais.

Oficial_MB: Tudo depende do lugar de onde o militar está servindo. Existe o lado bom, que é poder sair da parte administrativa e realizar na prática tudo o que se estudou, e o lado ruim as vezes é ficar longe de casa. Mas o lado bom com certeza se sobrepõe ao ruim.


6. Qual é a razão pela qual escolheram a sua escola de formação? Era sua primeira opção?

Danilo: Na verdade, entrei no curso para fazer IME, porque tinha um amigo meu que era de lá, só que queria ser piloto, não engenheiro. Aí acabei fechando um grupo com o pessoal que queria EN e descobri que depois de formado teria muitas opções de escolha, inclusive aeronaval, foi aí que tomei minha decisão e esse ano estou fazendo os exames para tentar alcançar meu objetivo.

Oficial_MB: A Escola Naval era a minha primeira opção. Na época não conhecia muito sobre a Marinha do Brasil, mas escolhi e dentro da Escola Naval optei por ser Fuzileiro Naval.


7. Você fez cursinho? Quantos anos?

Danilo: Fiz dois anos de curso, porém, se tiver uma boa base no 2º grau e se dedicar, um ano de curso é o suficiente para ser aprovado na EN. O importante é não desanimar se por acaso for reprovado no primeiro ano.

Oficial_MB: Fiz 1 ano.


8. Você costumava sair no ano do concurso? Como era sua vida social?

Danilo: Durante a semana os únicos amigos com quem eu falava eram os do curso, raramente fazia alguma coisa durante a semana, as vezes saía sábado e quando tinha micareta no Domingo eu ia (inclusive descobri que tinha sido aprovado na EN durante o Camaleão), tinha que dar uma relaxada. Mas isso vai de cada um.

Oficial_MB: Saía, mas com certeza muito menos do que no normal. Foi um ano de dedicação, mas vale a pena.


9. O que você não gostou dentro da sua escola de formação?

Danilo: Não é que não tenha gostado, mas é algo que não estava acostumado que era a hierarquia, não me sentia confortável quando tinha alguém mais antigo perto, mas com o tempo acostuma. Uma coisa que não gostei e não me acostumei é com serviço, quando entrei não sabia que existia isso.

Oficial_MB: Isso varia muito de pessoa pra pessoa. Eu levei os 4 anos de Escola bem tranqüilo. Se a pessoa está insatisfeita, qualquer besteira pode ser um sacrifício pra ela.


10. Como é a cobrança de treinamento físico durante o curso de formação? As provas físicas valem para a nota final?

Danilo: O treinamento físico é todo dia, ou você faz educação física ou então tem a opção de entrar para alguma equipe, como por exemplo: futebol, natação, atletismo, tiro e etc.. aí você treina com a equipe. Todos realizam prova (corrida 2500m, natação 200m, barra 10, abdominal e permanência 25 min) duas vezes por ano, nunca tive dificuldades. Essas notas têm uma porcentagem na nota final para classificação, não lembro direito, é algo entre 10% e 20%.

Oficial_MB: As provas físicas contam pra nota no final do ano. Com relação ao treinamento físico na Escola Naval é uma coisa normal, é muito difícil ver alguém que seja reprovado por isso.
Já dentro do Corpo de Fuzileiros Navais, a parte física é mais cobrada.


11. Muitos alunos ficam reprovados durante o curso? Lá dentro, pode repetir uma matéria ou o ano?

Danilo: Não são muitos os que ficam reprovados não, a maioria do pessoal que é reprovado vem do colégio naval, talvez pela base que agente ganha durante o curso agente acaba tendo facilidade. Pode repetir um ano, porém, se for reprovado em mais de três matérias é jubilado.

Oficial_MB: No primeiro e no segundo ano, que são os mais difíceis, existe um número considerável de reprovações, e lá se repete o ano e não só uma matéria.


12. Muitos alunos desistem durante o curso?

Danilo: Ultimamente tem saído um pouco mais de gente devido aos concursos públicos, devido ao salário. No caso da minha turma já saíram umas 10 pessoas e tem bastante gente estudando para sair. (Obs H2A.: A galera que tenta concurso público é, em geral, já formada)

Oficial_MB: A maioria que sai é no primeiro ano. Depois com o passar dos anos diminui bastante.


13. Durante a formação na EN, você estudou mais ou menos do que para passar no concurso?

Danilo: Estudei muito menos, na verdade só estudava na véspera, não ligava muito para colocação na turma, mas aconselho a estudar um pouco mais do que eu, porque quanto mais antigo, mais oportunidades vocês vão ter. Como, por exemplo, ir para o exterior até mesmo no 4º ano como aspirante.

Oficial_MB: Lá se estuda bastante, mas foi menos do que estudei pra passar pra EN.


14. Os testes de saúde (de visão, ortopédico, etc.) antes de entrar pra EN e depois quando estiver lá são muito rigorosos?

Danilo: O de visão não tem problema nenhum, o ortopédico é que tem algumas restrições, mas é tranqüilo, lá dentro os exames são bem mais tranqüilos não tem mais visão e nem ortopédico, a não ser que você queira fazer aviação ou outro curso a tem exames mais rigorosos do que para entrar na EN.

Oficial_MB: Nada além do normal.


15. Como é a carreira do oficial formado na EN?

Danilo: Faz a viagem como Guarda-Marinha e no final escolhe se quer ficar no RJ ou ir para outro estado, conforme as vagas (a escolha é feita de acordo com a classificação na turma). Depois que escolher o estado, você escolhe o navio. Existe um documento que diz mais ou menos quais comissões os navios vão fazer, você chega 2° Tenente e cada um vai para sua escolha, os que escolhem outro estado têm 20 dias pra se apresentar e ganham um dinheiro para as despesas. Depois de 2 anos e meio todos se reúnem mais uma vez para fazer o aperfeiçoamento (pode ser aviação, submarino, mergulhador de combate, engenheiro ou superfície). Já como 1º Tenente que dura 1 ano, após isso escolhem novamente para onde vão, os primeiros colocados nesses cursos fazem outra viagem de ouro como Capitão-Tenente e por aí vai até chegar a Capitão de Mar-e-Guerra.

Oficial_MB: Forma-se Guarda-Marinha, depois Segundo-Tenente, Primeiro-Tenente, Capitão-Tenente, Capitão–de–Corveta, Capitão-de-Fragata, Capitão-de-Mar-e-Guerra e alguns são promovidos a Almirante.


16. Quem vai pra EN, mas tem maior interesse pela área de engenharia, há caminhos que podem ser seguidos?

Danilo: Tem. A opção é fazer uma prova, acho que no segundo ano de 2º Tenente para quem quiser fazer engenharia. Se passar, fica três anos recebendo como oficial, porém, fica fazendo faculdade para se formar engenheiro.

Oficial_MB: Existe uma possibilidade de entrar no corpo de Engenheiros Navais como Primeiro-Tenente, por meio de prova.


17. O que você achou da Viagem de Ouro?

Danilo: A viagem é uma coisa surreal, você está ali pra aproveitar, lógico que quando o navio está no mar, você tem aula. Mas quando chega no porto é muito bom, você tem dinheiro pra fazer o que quiser, conhece vários paises e culturas diferentes. Você volta da viagem uma pessoa chata, passa um filme e tem uma cena de um lugar que você já foi, no outro a mesma coisa e você comenta, aí chega uma hora que as pessoas viram pra você e falam: "Já sei! Você já foi lá também!" rs.
Você volta com uma visão diferente sobre tudo, o mais importante não deixe de aproveitar um minuto, porque nunca mais vai ter uma coisa igual na sua vida, por mais que faça outra não vai ser com 160 amigos e você vai ter muita responsabilidade.

Oficial_MB: É uma experiência que com certeza todos que fizeram vão levar para toda a vida. Você conhece muitos países e ainda com todos os seus amigos.


18. Quais atributos você considera mais importante na sua aprovação no concurso?

Danilo: O principal sem duvida é a determinação e a força de vontade, não importa se você é inteligente ou não se estiver disposto a estudar com certeza vai passar, pode ser que não passe de primeira mais vai alcançar seu objetivo.

Oficial_MB: Dedicação e estudar tudo que o curso está te oferecendo, porque os professores tem experiência nesse assunto.


19. Se pudesse resumir o seu ano de esforço para passar no concurso em uma frase, que frase seria?

Danilo: Vou resumir em uma palavra: abnegação. Tive que abdicar de muita coisa durante meus 2 anos de estudo, não me arrependo de nada.

Oficial_MB: O esforço vale a pena.


20. Mensagem final aos futuros aspirantes.

Danilo: Qualquer dúvida sobre a Marinha, carreira ou curso, podem me enviar um e-mail (danilo_en@hotmail.com) que respondo com prazer.

Oficial_MB: Galera com certeza esse ano de esforço vai valer a pena. Procurem saber mais sobre as instituições que estão prestando concurso para fazerem a escolha certa. Depois, é só se dedicar que a recompensa é pra vida toda.

6 comentários:

  1. Samuca
    Legal.
    Dá para fazer engenharia lá tb...
    hum!

    ResponderExcluir
  2. Esse fuzileiro ein...

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, pela entrevista, professor Humberto.
    Consegui sanar todas as minhas dúvidas em relação à Escola Naval. Estou mais motivado agora.
    "Todos sabem?! Sei!Todos sabem?! Seiii!Todos sabem?! Seiiiiii!!!!"
    Ótimo trabalho.
    Sou seu aluno(Felipe Gondim) do SEI, turma AFA/EN/EFOMM tarde.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Concerteza não é facil mas nao é impossivel.

    ResponderExcluir
  5. Concerteza não é facil mas nao é impossivel.

    ResponderExcluir
  6. Concerteza não é facil mas nao é impossivel.

    ResponderExcluir